Make your own free website on Tripod.com

Disfunção da Articulação Têmporo - Mandibular - ATM
Osteoporose, um problema de Saúde Pública
Milton Artur Ruiz

Disfunção da Articulação Têmporo-Mandibular - ATM
Milton Artur Ruiz

Dentistas e médicos freqüentemente usam o termo ATM, mas o que significa isto? O termo ATM é a abreviação para Articulação Têmporo-Mandibular, que é a responsável pelo movimento de abrir e fechar da boca. Há duas ATM, uma na frente de cada ouvido.

A ATM é a articulação formada pelo osso temporal da crânio com a mandíbula. Estas articulações fazem o movimento de abrir e fechar da boca. Colocando-se o dedo na frente do ouvido, a pessoa poderá sentir o movimento. Eles fazem também a mastigação, movimento da fala e da deglutição. Esta articulação é uma das mais complexas do corpo humano.

O nervo da ATM é um ramo do nervo trigeminal, e um problema neste local pode trazer confusão com a neuralgia ou o nervo trigeminal. Os dois ossos da TM estão presos em uma série de ligamentos, e qualquer um deles pode estar danificado, assim como qualquer articulação.

Qualquer dano nessa área normalmente resulta na deslocação do disco, da mandíbula inferior, ou de ambos. Os ossos estão conectados por dois músculos principais: o temporalis e o masseter, e um músculo descrito pelo Dr. Shankland, o zygomandibular. Qualquer um desses músculos podem causar dor na ATM, ou ao menos podem causar um movimento anormal da mandíbula inferior.

O sistema mastigador é constituído por dentes, periodonto, músculos e ATM. Alterações em qualquer um dos componentes do sistema provoca reações e adaptações nos demais. Os dentes inferiores quando entram em contato com os dentes superiores formam a oclusão dental, que é responsável pela estabilidade da ATM. A oclusão inadequada é, na maioria dos casos, a responsável direta pela disfunção da ATM.

Sintomas da ATM

Por causa da variedade dos sintomas existentes da ATM, o diagnóstico preciso, às vezes, é difícil. De qualquer modo, há alguns sintomas clássicos que envolvem a mandíbula, ouvidos, cabeça, face e dentes.

O sintoma mais comum é o tilintar das mandíbulas. Este barulho pode ser alto, o que pode ser ouvido pelos outros enquanto a pessoa mastiga. Pode haver ou não dor no movimento. Mas uma coisa é certa, se há um deslocamento do disco, como é normalmente no caso de barulho, os músculos que movem a mandíbula estão mais tensos que o normal. Isto pode ou não causar dor facial, no pescoço ou na cabeça.

O deslocamento da ATM também pode causar uma mudança na oclusão dental ou na mordida. Se o disco da ATM vai para outro lugar, os ossos e o disco não se juntam devida e corretamente, e a mordida que o paciente realiza se modifica.

A causa anatômica relacionada a disfunção da ATM com os ouvidos, são vários sintomas. Pode haver dor de ouvido e até perda de audição. Esta é a razão pela qual muitas pessoas procuram primeiramente um otorrinolaringologista, antes de consultar um ortodontista para um possível problema de ATM.

A dor de cabeça é um dos sintomas mais comuns nos problemas de ATM. Normalmente, a dor de cabeça é localizada nas têmporas, atrás da cabeça, e às vezes nos ombros. Apertando e mordendo com os dentes pode produzir um dor muscular, causando a dor de cabeça. O deslocamento do disco também pode causar dor na mandíbula, atingindo as têmporas, pescoço e a testa. Algumas vezes a dor de cabeça é tão severa, que muitos especialistas tratam como se fosse alguma doença neurológica.

Os dentes, nestes casos, podem se tornar mais sensíveis, devido a atividade da mandíbula, como apertar os dentes quando há deslocamento do disco. Muitos pacientes freqüentemente vão ao dentista reclamando de dor de dente, e por vezes a causa não é encontrada.

Muitos outros sintomas podem ser associados a ATM. Geralmente, a dor pode descer até os ombros e costas, devido a contração muscular, condição chamada de Síndrome da disfunção da dor miofacial. Desorientação, vertigem e confusão também podem ser percebidas nos pacientes. Além de fotofobia ou sensibilidade à luz. O deslocamento da ATM pode produzir dor dentro e entre os olhos. Visão nebulosa e tensão muscular entre os olhos são outros sintomas comuns, e também o zumbido nos ouvidos.

Causas da ATM

De acordo com estatísticas publicadas no Journal of the American Dental Association, os traumatismos são responsáveis por mais de 44% dos problemas de ATM.

A aceleração/desaceleração cervical (Whiplash) são outras causas do problema na ATM. O brusco movimento da cabeça para frente e para trás causa estiramento e compressão dos componentes da ATM, podem danificá-la.

A excessiva abertura da boca pode trazer danos aos ligamentos, à capsula articular ou mesmo deslocamento do disco articular.

Alguns hábitos também podem causar pressões inadequadas na ATM. A persistência de tais microtraumatismos levam a alterações intra-articulares, como: deslocamento de disco articular, alterações capsulares, ligamentares, etc. Um exemplo disso, é manter objetos entre os dentes ou o apoio de mão na mandíbula.

A mordida inadequada pode estar relacionada a discrepancia de bases ósseas maxilo-mandibulares ou a desarmonia dental. Como a manutenção da saúde da ATM depende de uma boa oclusão.

Outros problemas também podem estar relacionados com a ATM, como as alterações sistêmicas, morfológicas congênitas, discrepâncias estruturais maxilo-mandibular, strees físico e psicológico, alterações hormonais.

Principais Sintomas relacionados à ATM

  • dor nas articulações, dor de cabeça;
  • ruídos nas articulações;
  • dificuldade de abrir a boca;
  • dificuldade de mastigar;
  • mudança na postura da cabeça (cabeça inclinada para frente);
  • dor de ouvido;
  • desgaste dental;
  • zumbido.

Diagnóstico e Tratamento

O diagnostico dos problemas da ATM são precisos e altamente especializados. Tais exames compreendem:

  • radiografias transcraniana, tomografias, imagem por resson6ancia magnética;
  • eletromiografia (EMG) computadorizada dos músculos do sistema mastigador;
  • avaliação computadorizada dos ruídos da ATM;
  • avaliação computadorizada dos movimentos da mandíbula (eletrognatografia);

Nos casos crônicos, pode ser necessária a indicação de especialistas médicos, em geral ortodontistas, ou a avaliação de um cirurgião buco-maxilo-facial ou psicológico.

O objetivo do tratamento consiste em evitar a cirurgia, reposicionando a mandíbula ao crânio, minimizando a dor muscular, melhorando, assim, a postura. A reeducação do paciente em relação ao posicionamento correto da mandíbula reduz a inflamação, fortalecendo o sistema músculo-esquelético.

O tratamento da ATM compreende:

  • instalaçào de placas inter oclusais;
  • exercícios;
  • fisioterapia;
  • termoterapia (frio, calor, ultrassom);
  • eletroterapia;
  • anestesia nos músculos para bloqueio dos pontos afetados.

Causas das disfunções da ATM

  • Traumatismos
  • Aceleração/desaceleração cervical (Whiplash)
  • Excessiva Abertura de boca
  • Hábitos parafuncionais
  • Má-oclusão
  • Lassidão ligamentar
  • Doenças sistêmicas.
 

Osteoporose, um problema de Saúde Pública
Milton Artur Ruiz

Osteoporose é uma doença que se caracteriza pela perda de massa óssea , e consequentemente desarranjo de sua arquitetura o que propicia aumento da fragilidade dos ossos e aumento do risco de fraturas.

Hoje pelo aumento do número de idosos , pessoas que tem um risco maior de ter o problema, a anormalidade é considerada um problema de saúde pública mundial . Isto se deve ao fato que as pessoas estão vivendo mais tempo , e a população de idosos consequentemente aumentado estimando-se que cerca de 15 % da população em todo o mundo já esteja na faixa superior aos 60 anos de idade .

No Brasil , a situação não é diferente do resto do mundo e o número de idosos cresce a cada dia . Apesar das diversidade regionais, étnicas e das dimensões continentais do país, a osteoporose está atualmente no rol das doenças de saúde pública , e merece cuidados e atenção de toda a sociedade. Segundo dados mais recentes do IBGE de 1994 , a população brasileira é de 150 milhões de pessoa s e o número de idosos ,se considerarmos que 12 % é de idosos teremos um contingente de mais de 10 milhões de pessoas na faixa de idade superior aos 60 anos de idade o que sem dúvida representa um número populacional bem expressivo .

Destes cerca de 2,5 milhões deverão ter osteoporose e considerando que 5 % dos pacientes terão fraturas de fêmur teremos por baixo mais de 100 mil fraturas por ano em todo o país .

Estes dados configuram a importância do problema , do ponto de vista sócio -econômico o que exige sem sombra de dúvida atenção governamental na prevenção , diagnóstico precoce e pesquisa pois estima-se que o custo do tratamento destes pacientes ultrapassa a cifra anual de 700 milhões de reais .

FATORES DE RISCO / OSTEOPOROSE

Idade avançada, sexo feminino, antecedentes na família.

Baixa ingestão de cálcio, alta ingestão de proteínas, sódio e café

Fumo, etilismo, vida sedentária.

Ciclos menstruais irregulares, menopausa precoce, não ter tido gestações.

Medicamentos: corticosteróides, anticonvulsivantes, hidróxido de alumínio, diuréticos, heparina, litio, metotrexato.

CAUSAS / OSTEOPOROSE

ž Primária pós-menopausa;
senil;
juvenil;
causa desconhecida;
ž Secundária Genética;
Doenças endócrinas (hipertiroidismo, hiperparatiroidismo, diabetes etc...
Doenças do aparelho digestivo (cirrose etc.)
Doenças reumatológicas (artrite reumalóide etc.)
Doenças renais (insuficiência renal crônica etc.)
Câncer (mieloma múltiplo, metastases).
Medicamentos.
Hábitos.

Osteoporose - causas e sintomas e condutas

A osteoporose é uma doença mais comum nos idosos e pode ser a fatores ou várias causas evidenciáveis ou ser de natureza primária. As causas de natureza primária ocorrem devido a idade , ou o mais frequentemente em mulheres que entraram na menopausa . Aliás é bom ressaltar que a osteoporose é bem mais frequente nas mulheres .Outra causa porém menos frequente e de natureza primária pode ser observada em adultos jovens. O motivo da ocorrência da osteoporose não está bem explicada , mas estudos mais recentes e de observação de determinadas familias e o emprego da citogenética , tem apontado para determinados fatores genéticos predisponentes para a ocorrência da doença.

A presença de osteoporose decorrente de outras doenças recebem denominação de secundárias pois a anormalidade encontra-se diretamente relacionada com uma outra doença de base e as alterações ossea s dela decorrem. Assim doenças endócrinas que afetem a tiróide, a paratiróide e o diabetes mellitus estão a frente das causas de osteoporose.Outras doenças endocrinológicas que afetam a glandula também pode ocasionar a anormalidade.O elenco de anomalias que podem redundar em osteoporose é vasto , indo desde uma doença péptica ou gastrintestinal .

Após a menopausa com a queda dos hormonios estrogenicos as mulheres ficam mais frageis e susceptíveis a perda da massa óssea , e com esta redução , perdem também o controle sobre o hormonio da glandula da paratiróide. Este momento é crucial pois a partir de então ocorre um desbalanceamento nas células dos ossos e os pacientes passam então a perder cálcio, e o ossso e a sua arquitetura se altera , propiciando sintomas , fraturas e alterações posturais.

O diagnóstico da osteoporose é realizado na maioria das vezes clinicamente , se auscultando com paciencia a história da paciente, característica das dores apresentadas , observação das alterações de sua postura e das articulações , além da valorização dos seus antecendentes pessoais e familiares . Outro ponto importante a se val;orizar são os seus hábitos de vida. Todas as pacientes nesta situação devem ser avaliadas através de exames complementares. Devem ser realizados exames laboratoriais com enfase para as dosagens hormonais e bioquímicas , além do emprego de métodos que visualizem e derminem a massa óssea como o Raio X , a densitometria óssea e a tomografia computadorizada quantitativa.

Estas avaliações assumem importância também em determinadas situações especiais como nos casos de mulheres em pré menopausa de alto risco ( cirurgias com retirada precoce do útero ) , em hipomenorréia ou amenorréia que realizem intensos exercícios físicos ou sejam portadoras de anorexia nervosa .

O tratamento básico destas pacientes visa frear ou diminuir o processo de perda óssea , e para tanto introduz-se uma terapêutica de reposição hormonal . Dentre outros medicamentos que comumente são associados podemos citar o cálcio , a vitamina D e a calcitonina.

Outro aspecto a ser abordado no tratamento , são os exercicios físicos que devem ser estabelecidos , além de programas de prevenção de fraturas e da exclusão de fatores de risco , como hábitos alimentares indequados , do uso de medicamentos perigosos e sem prescrição e principalmete abolir o fumo e o etilismo de sua rotina.